O atacante Edno defendeu o entre os anos de 2009 e 2011. Mesmo empolgado com a oportunidade na época, o atleta não teve muito espaço no clube, o que foi motivo de lamentação.

Edno escolheu deixar a Portuguesa se transferir ao Corinthians no final de 2009, mesmo tendo de outros clubes, como o Santos. Em cerca de dois anos no clube, no entanto, ele não recebeu as oportunidades que esperava e, por isso, lamentou.

"Eu não tive oportunidade no Corinthians, não tive sequência. Se você pegar os scouts no Corinthians, eu nunca joguei dois jogos seguidos. Isso para um atleta é muito ruim. O atleta precisa de sequência de jogos. Se um treinador precisa de tempo para entrosar o time dele, o jogador também precisa de tempo, de jogos, de rodagem, minutagem. Eu pedi para sair na época do Corinthians, e o me tirou da Libertadores. Fiquei indignado. Todos os dias o Mano me ligava, dizia que eu iria jogar e acabei não jogando. Pedi para ser até teve uma resistência porque eu tinha acabado de chegar, mas me emprestaram e eu fui para o Botafogo, onde o papai Joel Santana me deu oportunidade de jogar, deu sequência e fui campeão Carioca em 2010. Joguei o e fui o vice artilheiro do time, e o Loco Abreu foi o artilheiro do time", disse o ex-corinthiano em entrevista para o Uol.

Diante dessa situação, Edno não escondeu sua chateação com Mano Mezes, técnico corinthiano naquela época. Ele contou ter se questionado sobre suas escolhas naquele momento, mas também afirmou ter deixado esses sentimentos no passado.

"Na época, sim. Mas hoje não, são coisas que passam, não voltam mais. Eu nem cheguei a trocar ideia com o Mano, e isso também já morreu. Dei sequência na minha carreira, e ele também deu sequência na carreira dele. Nunca fui um cara de guardar mágoas, rancor. Na hora a gente fica chateado porque, pô, quem é que não quer disputar uma Libertadores? Eu optei por sair da Portuguesa (em setembro de 2009) para ir ao Corinthians e acabei não indo para o Santos. Bate o arrependimento: 'pô, vim para cá, mas acho que fiz burrada, deveria ter ido para outro lado (Santos). Mas nem tudo na nossa vida é só vitórias, nem todo o clube que você passa ou nem todo o trabalho que você faça, independente de ser jogador de futebol, você vai ter êxito. Na vida, se fosse só vencer, seria mil maravilhas, mas não. Na vida a gente tem os tropeços", pontuou.

Ao longo do tempo em que esteve no Corinthians, Edno não conquistou nenhum título. Ele disputou 27 jogos e marcou dois gols. Sem espaço na equipe, acabou sendo emprestado para Botafogo-RJ e Portuguesa antes de ser negociado de maneira definitiva com o Tigres, do México.

Veja mais em: .

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.